terça-feira, 25 de junho de 2013

O Dever e os Benefícios de Perseverar em Oração - Wilhelmus à Brakel

0 comentários
1635 - 1711

"...(1) Perseverança na oração é recomendada em todos os lugares e ordenada como sendo o nosso dever particular: “sede... na oração, perseverantes” (Rm 12.12); “com toda oração e súplica, orando em todo tempo no Espírito e para isto vigiando com toda perseverança” (Ef 6.18); “Perseverai na oração” (Cl 4.2); “Disse-lhes Jesus uma parábola sobre o dever de orar sempre e nunca esmorecer” (Lc 18.1).

(2) Perseverança traz a alma a uma boa disposição. Primeiro, ela nos ensina a reconhecer melhor Deus como o livre Doador, que não tem nenhuma obrigação para conosco; que pode dar ou não; e se Ele dá, é somente devido à Sua bondade. Em segundo lugar, ela fará com que o suplicante seja mais humilde, visto que ele percebe que é indigno de todas as graças e bênçãos: “O pobre fala com súplicas” (Pv 18.23). Estimaremos uma bênção muito mais se a tivermos recebido sob muitas orações, e teremos mais alegria se percebermos em tudo isso que, Deus respondeu às nossas orações.

(3) A perseverança nos levará a receber. Sob longa luta, Jacó foi abençoado (Gn 32). Depois de uma longa busca, a mulher cananeia recebeu aquilo que desejava (Mt 15). Após a frequente repetição de sua oração, Elias recebeu chuva (1 Rs 18). Após a contínua oração da congregação, Pedro, de maneira maravilhosa, foi libertado da prisão (At 12). Mediante perseverança unânime em oração e súplica, o Espírito Santo foi derramado no dia de Pentecostes (At 1 e 2). Visto que muitos oram, mas apenas uma vez por um assunto, e não perseveram, eles também não o recebem. Portanto, se abstenha de tudo aquilo que dificulte você de perseverar, como por exemplo: letargia, preguiça, descrença de que o assunto não será concedido, divergência entre os nossos desejos (estando parcialmente focado nas coisas espirituais e parcialmente nas terrenas), a instabilidade dos nossos desejos. Tais questões, e outras semelhantes, fazem com que o suplicante facilmente desista de orar e o impedem de orar com frequência. Desse modo, ele seguirá sem receber o cumprimento dos seus desejos. Portanto, restabelecei as mãos descaídas e os joelhos trôpegos."...

Wilhelmus à Brakel - The Christian's Reasonable Service. Vol. 3Grand Rapids, MI: Reformation Heritage Books, 2007. pp. 461-462u

Tradução: Alan Rennê
Fonte: Cristão Reformado,

Outros volumes:
Volume 1 / Volume 2 / Volume 3 / Volume 4



Read more...
segunda-feira, 24 de junho de 2013

O governo civil e os falsos profetas - João Calvino

0 comentários

1509-1564
"...E aquele profeta ou sonhador de sonhos morrerá, pois falou rebeldia contra o SENHOR vosso Deus, que vos tirou da terra do Egito, e vos resgatou da casa da servidão, para te apartar do caminho que te ordenou o SENHOR teu Deus, para andares nele: assim tirarás o mal do meio de ti."... (Dt 13:5)

"...E aquele profeta. Como os ministros de Satanás enganam os homens pela aparência exterior, quando se apresentam como sendo profetas de Deus, Moisés admoestou que os mestres não devem ser todos escutados indiscriminadamente, mas que os verdadeiros deveriam ser distinguidos dos falsos e que, tendo disso julgados, somente os que merecessem deveriam ser reconhecidos. Agora ele acrescentou o castigo daqueles que se introduzem com o título de profeta para conduzir o povo à rebelião. Ele não condena à pena capital aqueles que porventura espalham alguma falsa doutrina por conta de algum erro particular ou trivial, mas aqueles que são os autores da apostasia e que arrancam a religião pela raiz. Observe, também, que a ocasião para esta severidade não seria até que a religião fosse positivamente estabelecida e, portanto, a gravidade da impiedade é expressamente mencionada – aqueles que tentam desviar o povo do culto ao Deus verdadeiro. Além disso, para que todas as desculpas fossem anuladas, Moisés disse que quem Deus é e a maneira com que Ele deve ser cultuado era suficientemente manifesto pela maravilhosa benção da redenção deles e também pela doutrina da Lei. Portanto, para que Deus manifestasse que um castigo tão severo é justamente aplicado contra apóstatas, Ele declarou a certeza daquela religião que deveria existir entre os israelitas, de forma que nenhum perdão poderia ser concedido a um desprezo tão iníquo, pois Deus havia abundantemente provado a glória de Sua Divindade pelo milagre da redenção deles e havia revelado Sua vontade na Lei.

É preciso lembrar, então, que o crime da impiedade não deve ser castigado, a menos que a religião tenha sido recebida por consentimento público e sufrágio do povo e também sendo sustentada por provas seguras e incontestáveis, de forma que sua verdade seja posta acima do alcance da dúvida. Desta forma, apesar de ser absurda a severidade daqueles que defendem a superstição por meio da espada, homens profanos, pelos quais a religião é subvertida, de forma alguma podem ser tolerados em um governo político bem instituído. Aqueles que desejam ser livres para causar perturbações sem serem punidos não são capazes de tolerar isso e, portanto, chamam de sanguinários aqueles que ensinam que os erros pelos quais a religião é solapada e destruída devem ser reprimidos pela autoridade pública. Mas o que eles ganharão com seus desvarios públicos contra Deus? Deus ordena que os falsos profetas, que arrancam os fundamentos da religião e são os autores e líderes da rebelião, sejam mortos. Um patife ou outro contesta isso e se coloca contra o autor da vida e da morte. Que insolência é essa! Quanto ao que afirmam, que a verdade de Deus não precisa de um apoio assim, isto é muito verdadeiro. Mas qual é o sentido desta insanidade, de impor uma lei sobre Deus, de que Ele não pode fazer uso da obediência dos magistrados para este fim? Qual é o benefício de questionar a necessidade disso, se agrada tanto a Deus? Deus pode, de fato, dispensar o auxílio da espada na defesa da religião, mas esta não é Sua vontade. E por que isso causa surpresa, que Deus ordena que os magistrados sejam vingadores de Sua glória, se Ele não deseja nem tolera que roubos, fornicações e bebedeiras sejam isentos de castigo? Em ofensas menores, não é lícito que os juízes hesitem, mas quando o culto a Deus e toda religião é violada, tamanho crime será encorajado pela dissimulação? Pena capital será decretada contra adúlteros, mas os odiadores de Deus terão autorização para adulterar a salvação sem impunidade, para desviar almas miseráveis da fé? O perdão nunca será concedido para aqueles que envenenam as pessoas pelo qual somente o corpo sofre danos, mas não há problemas em entregar as almas à eterna destruição? Finalmente, se a autoridade do próprio magistrado for atacada, haverá vingança por isso, mas tolerará que o santo nome de Deus seja profanado? O que pode ser mais monstruoso!? Mas será supérfluo contestar com qualquer argumento quando o próprio Deus já pronunciou qual é Sua vontade, pois nós temos que observar seu inviolável decreto.”...

João Calvino - Comentary in Deuteronomy 13

Tradução - Frank Brito
Fonte - Resistir e Construir
Read more...

O reino de Deus e o governo civil - João Calvino

0 comentários

1509-1564

"...2. O REINO DE DEUS E O GOVERNO CIVIL, EMBORA DISTINTOS EM NATUREZA E FUNÇÃO, NÃO SE EXCLUEM MUTUAMENTE, NEM SÃO INCOMPATÍVEIS ENTRE SI

Apesar disso, esta distinção não serve para que tenhamos a ordem social como uma coisa imunda e que não é pertinente aos cristãos. É verdade que os espíritos utópicos e fanáticos, que não buscam senão uma licença desenfreada, falam dessa maneira atualmente e afirmam que, posto que já morremos em Cristo para os elementos deste mundo e já fomos trasladados ao reino de Deus entre os habitantes do céu, é coisa ignóbil e vil para nós e indigna de nossa excelência nos ocuparmos dessas preocupações imundas e profanas concernentes aos negócios deste mundo, dos quais os cristãos devem afastar-se o máximo possível. A que propósito, dizem eles, servem leis sem juízos e tribunais? Todavia, que o homem cristão tem a ver com os próprios juízos? Com efeito, se não é lícito matar, a que nos servem leis e juízos?

Mas, como há pouco chamamos a atenção dizendo que este gênero de governo é distinto daquele reino espiritual e interior de Cristo, devemos também saber que de forma alguma é contrário a ele. Ora, este reino espiritual começa justamente aqui na terra em nós uma certa prelibação do reino celeste, e de certo modo auspicia nesta vida mortal e passageira a bem-aventurança imortal e incorruptível. Mas o objetivo do governo temporal é manter e conservar o culto divino externo, a doutrina e religião em sua pureza, o estado da Igreja em sua integridade, levar-nos a viver com toda justiça, segundo o exige a convivência dos homens durante todo o tempo que vivermos entre eles, instruir-nos numa justiça social, fomentar a harmonia mútua, manter e conservar a paz e tranqüilidade comuns, coisas essas que reconheço serem supérfluas, se o reino de Deus, como ora se acha entre nós, extingue a presente vida.

Se, pelo contrário, for a vontade de Deus que, enquanto aspiramos à verdadeira piedade, peregrinemos sobre a terra, enquanto suspiramos por nossa verdadeira pátria; e se, além do mais, tais auxílios nos forem necessários para nossa jornada, aqueles que querem privar aos homens delas, os querem impedir que sejam homens. Ora, a respeito do que alegam, que deve haver na Igreja de Deus tal perfeição que façam as vezes de quantas leis demandem, tal imaginação é uma insensatez, pois jamais poderá existir tal perfeição em qualquer sociedade humana. Pois, como tão grande é a insolência dos réprobos, tão contumaz sua impiedade, que mal se deixa coibir pela extrema severidade das leis, que esperamos que eles façam, se vêem sua improbidade patentear-se em impune desbragamento, os quais nem pela força se deixam compelir para que não procedam mal?”...

João Calvino - As Institutas da Religião Cristã - Edição Clássica (LIVRO IV - Cap. XX), Editora Cultura Cristã.

As Institutas, produzidas pela UNESP e disponibilizadas pelo Google:

Read more...

A profundidade do pecado - J. C. Ryle

0 comentários
1816 - 1900

...Afinal, estou convencido de que a maior prova da extensão e do poder do pecado é a persistência com que ele se apega ao homem, mesmo depois deste ser convertido e tornar-se alvo das operações do Espírito Santo. Usando a linguagem do artigo nono: “Essa infecção da natureza permanece – sim, mesmo nos regenerados”. Tão profundamente implantadas estão as raízes da corrupção humana que, mesmo depois de termos sido regenerados, renovados, lavados, santificados e justificados, feitos membros vivos de Cristo, essas raízes permanecem vivas no fundo de nosso coração. Tal qual o mofo nas paredes de uma casa, nunca nos livraremos delas, enquanto não for dissolvida esta casa terrestre deste nosso tabernáculo. Sem dúvida, o pecado não mais exerce domínio no coração do crente. Está contido, controlado, mortificado e crucificado pelo poder expulsivo do novo princípio da graça divina. A vida do crente é uma vida de vitória e não de fracasso. Mas os próprios conflitos que continuam em seu peito, a luta na qual ele se vê empenhado a cada dia, a vigilância que ele é forçado a exercer sobre seu homem interior, a guerra entre a carne e o espírito, os “gemidos” íntimos que ninguém conhece, senão aquele que os experimenta – tudo isso testifica da mesma grande verdade, tudo mostra o enorme poder e a vitalidade do pecado. Poderoso, de fato, deve ser o adversário que mesmo depois de crucificado, continua vivo! Feliz é o crente que compreende isso e não tem confiança na carne enquanto se regozija em Cristo Jesus; e ao mesmo tempo em que diz: “Graças a Deus que nos dá a vitória”, nunca se esquece de vigiar e ora para não cair em tentação!."...

Read more...
sábado, 22 de junho de 2013

O modo certo de santificar o Dia do Senhor - Lewis Bayly

0 comentários

1565-1631

"...(7) Toda conversa ou prosa que impeça a santificação do Sabbath. Conversa desse tipo impede a santificação do Sabbath mais do que o trabalho, visto que o trabalho uma pessoa pode fazer sozinha, mas para conversar precisa de mais alguém. Aquele que observa o Sabbath só descansando do seu trabalho comum, observa-o como qualquer animal. Mas a guarda desse dia como descanso e ordenada aos cristãos igualmente como ajuda à santificação. Assim também o trabalho é proibido por impedir o culto exterior e interior de Deus.

Agora, pois, se as recreações que são lícitas nos outros dias da semana, no Sabbath não são permitidas, muito mais as que são totalmente ilícitas em qualquer tempo. Quem pode ver, sem chorar, os cristãos "guardarem" o dia do Senhor como se estivessem celebrando uma festa em homenagem a Baco, e não em honra do Senhor Jesus, o salvador e redentor do mundo? Pois, tendo passado apenas uma hora em serviço que se pode ver, passam o resto do dia do Senhor, ora sentados a comer e beber, ora se levantando para jogar e dançar; primeiro formando um lastro em seus ventres com comida e bebida, e depois alimentando sua luxúria com jogo e dança (1 Cor 10:7; Ex 32:6,18,19). Contra essas profanações todos os santos teólogos, em seus tempos, lançaram duras invectivas, tanto assim que Agostinho afirma que "melhor seria arar o campo do que dançar no dia do Senhor".

Agora, o que digo o faço em nome do todo-poderoso Deus, que descansou assim que acabou de criar o céu e a terra, e do Seu filho eterno, Jesus, o Redentor de Sua Igreja, que sem demora virá, no terrível dia de definição das sentenças, para julgar todos os homens conforme sua obediência ou desobediência a Seus mandamentos (At 17:31; Rm 2:12 ss.; 2 Ts.2:8 ss): insisto em que você leia estas palavras como se já estivesse na presença real e concreta de Cristo e de todos os Seus santos anjos naquele dia. Digo isso para que você pondere e considere melhor se Deus vai abençoar e permitir danças no dia do Senhor, representações teatrais, bailes de máscaras, jogo de cartas e de dados, roletas, jogo de xadrez, boliche, tiro ao alvo, caça, pesca, rodadas de bebidas, embriaguez e outras estultícies semelhantes como as "folias de Robin-Hood", as danças mouriscas e os jogos de maio. E, visto que não devemos praticar nenhum ato nesse dia que não seja algo pelo que, ou bendizemos Deus, ou procuramos receber bênção de Deus, como é que você se atreve a fazer coisas nesse abençoado dia sobre as quais você não se atreveria a rogar a Deus que as abençoe para seu proveito? Ouça isso e trama, ó jovem profano de uma época profana!."...

Lewis Bayly - The practice of piety ("A Prática da Piedade", Ed. PES, p. 265-266)

Fonte - Bruno E Jucy Dias (Facebook)

Esse livro pode ser adquirido na LIVRARIA SPIROS.
Especializada em Literatura Reformada e do Puritanismo
Read more...

Amamos o Dia do Senhor? - Thomas Watson

0 comentários
1620 – 1686
"...Nós amamos o dia de Deus. Nós não apenas guardamos um sabbath, mas nós amamos um sabbath. “Se chamares ao sabbath deleitoso” (Isaías 58.13). O sabbath é aquilo que mantém a face da religião entre nós; esse dia deve ser consagrado como glorioso ao Senhor. A casa de Deus é o palácio do grande Rei, e no sabbath ali Deus revela a Si mesmo através da treliça. Se nós amamos a Deus, nós estimamos o Seu dia sobre todos os outros dias. Toda a semana seria escura se não fosse por esse dia; nesse dia, o maná cai numa porção dobrada. Nele, de um modo especial, as comportas do céu permanecem abertas, e Deus desce numa chuva dourada. Nesse dia bendito, o Sol da justiça se levanta sobre a alma. Oh, como um coração gracioso aprecia esse dia, feito com o propósito de desfrutarmos de Deus."...


Read more...
quinta-feira, 20 de junho de 2013

A obediência ao Magistrado Civil - Agostinho de Hipona

0 comentários
354 - 430
"...(Rm 13:1)-No que ele diz:"Todo homem se submeta às autoridades, pois não há autoridade que não venha de Deus", justamente admoesta a que ninguém se ensoberbeça pelo fato de ter sido chamado e feito cristão pelo seu Senhor para a liberdade, e julgue que, na caminhada desta vida, não há de observar sua ordem e de se submeter aos poderes superiores, a quem foi confiado o governo das coisas temporais para serem administradas neste mundo. Com efeito, como somos compostos de alma e corpo, e enquanto estamos nesta vida temporal, façamos uso também das coisas temporais para manter esta vida. É mister, portanto, por um lado que, no tocante a esta vida, nos submetamos às autoridades, ou seja, aos homens constituídos em dignidade de administrarem as coisas humanas. Por outro lado, no tocante a nós que cremos em Deus e somos chamados ao seu reino, não é lícito que nos submetamos a homem algum que pretenda aniquilar em nós o que Deus se dignou dar-nos em ordem à vida eterna. Por isso,se alguém, por ser cristão, pensa que não deve pagar impostos ou tributos, ou que não é preciso tributar devida honra às autoridades às quais foi confiada essa função, encontra-se num grande erro. Da mesma forma, se alguém pensa que se há de submeter a ponto de julgar que tem poder também sobre sua fé aquele que,investido de alguma autoridade, está à frente da administração das coisas temporais, cai num erro maior. A norma a seguir é a prescrita pelo Senhor, ou seja, que demos a César o que é de César, e a Deus o que é de Deus(cf. Mt 22:21). Com efeito, ainda que sejamos chamados ao reino onde não existe poder algum deste mundo, enquanto, porém, permanecermos nesta caminhada e não chegarmos àquele momento em que se dará a supressão, de todos os principados e potestades, toleremos nossa condição em favor desta mesma ordem das coisas humanas, nada fazendo com fingimento e, por isso, obedecendo não tanto aos homens, mas a Deus que nos dá esses preceitos."...

Agostinho de Hipona – Coleção Patrística - Vol.25 (Explicação de algumas proposições da carta aos Romanos | Explicação da carta aos Gálatas | Explicação incoada da carta aos Romanos) - p.59-60

Fonte: Bruno E Jucy Dias - (Facebook)



Read more...
sábado, 15 de junho de 2013

Considerações - Robert Murray McCheyne

0 comentários
1813 – 1843
“Lições para nós:

1. Lição para as pessoas sem Cristo. Esteja ciente do seu perigo. Onde quer que Deus veja pecado, Ele irá puni-lo. Ele puniu os anjos rebeldes — puniu Adão — o mundo antigo — Sodoma; e, quando viu o pecado sobre Cristo, rejeitou seu próprio Filho. Você faz pouco caso do pecado. Veja o que Deus pensa sobre o pecado. Ainda que seja apenas um pecado que esteja sobre você, se este não tiver sido expiado, você não será salvo. Deus diz: “Ainda que... fosse o anel do selo da minha mão direita — ainda que fosse meu filho amado — eu dali o arrancaria” (Jr 22.24). Oh! deixe-me persuadi-lo, neste dia, a aproximar-se de Jesus Cristo!

2. Lição para aqueles que estão em Cristo. Admire o amor de Jesus. Oh! que mar de ira Ele suportou por você! Que sofrimento Ele experimentou por você, alma ingrata e vil! O corpo transpassado e o sangue derramado — representados no pão e no cálice — são provas do seu amor. Oh! que o seu coração transborde em anelo pelo Salvador! Diríamos a todos os que estão em Cristo: Ele foi rejeitado, em lugar dos pecadores. Se você O tem como sua única segurança, nunca será rejeitado. Do corpo transpassado e do sangue derramado surge o clamor: “Deus meu, Deus meu, por que me desamparaste?” Por mim — Por mim! Que Deus abençoe a sua Palavra.” 

Robert Murray M'Cheyne - My God, My God - Sermon LII (Deus meu, Deus meu - Sermon 52)

Fonte: Editora Fiel

Outras obras AQUI.

Read more...
quinta-feira, 13 de junho de 2013

A prática do Dia do Senhor - João Calvino

0 comentários

1509 - 1564
"...O que devemos fazer então? Devemos entender que não é suficiente para nós apenas ouvir o sermão pregado no dia do Senhor, receber algumas boas instruções e invocar o nome de Deus. Também devemos digerir essas coisas e meditar sobre os benefícios que a graça de Deus tem feito por nós. Por este meio podemos nos adaptar as coisas que nos levarão ao nosso Deus na segunda-feira e durante o resto da semana. Assim, quando temos tempo para meditar sobre o que aprendemos, exteriorizamos de nossas mentes todas as coisas que nos impedem ou que nos arrastam para longe da meditação das obras de Deus.

Desse modo vemos a finalidade do regulamento para mantermos este dia. Não é para conservar as cerimônias estritamente como sob a servidão legal judaica, porque não temos a figura ou sombra. Mas, sim, o Dia serve como um meio para que possamos aprender de Deus na medida em que somos capazes, para aplicar-nos mais plenamente ao serviço de Deus. Dedicamos o dia todo a ele para que possamos nos retirar completamente do mundo e, como eu disse antes, para que possamos ter um bom começo para o restante da semana.

Também devemos considerar que não é o suficiente para nós meditarmos no Dia do Senhor sobre Deus e seus trabalhos apenas para nós mesmos. Pelo contrário, devemos nos reunir em um dia especifico para realizar a confissão pública de nossa fé. Na verdade, como eu disse antes, isso deve ser feito todos os dias, mas por causa da imaturidade espiritual do homem e da preguiça é necessário ter um dia especial dedicado inteiramente a este propósito. É verdade que isso não se limita ao sétimo dia; nem nós, de fato, mantemos o mesmo dia nomeado para os judeus, o sábado. Mas, para mostrar a liberdade dos cristãos, o dia foi mudado porque a ressurreição de Jesus Cristo nos libertou da escravidão da Lei e cancelou a obrigação a ele. É por isso que o dia foi alterado. No entanto, devemos observar o mesmo regulamento de ter um dia específico da semana. Quer se trate de um dia ou dois é deixado à livre escolha dos cristãos.

No entanto, se as pessoas se reúnem para observar os sacramentos, para oferecer oração comum a Deus e para mostrar concordância na união da fé, é conveniente ter um único dia especifico para isso. Não é suficiente que cada pessoa apenas se recolha a sua própria casa para ler as Sagradas Escrituras ou para orar a Deus. Pelo contrário, o melhor é que mantenha o regulamento que Deus ordenou , o de estarmos juntos na companhia dos fiéis e demonstrar o vínculo que temos com todo o corpo da Igreja.”...

Read more...
quarta-feira, 5 de junho de 2013

O sábado foi feito por causa do homem - J. C. Ryle

1 comentários
1816 - 1900

E disse-lhes: O sábado foi feito por causa do homem, e não o homem por causa do sábado". (Mc 2:27)

"...Nessas palavras de Jesus, há uma fonte de profunda sabedoria. Merecem toda a nossa atenção, tanto mais porque ficaram registradas exclusivamente no evangelho de marcos. Vejamos o que elas contêm.

"O sábado foi estabelecido por causa do homem." Deus estabeleceu o dia de descanso em favor de Adão, no paraíso; e renovou-o para Israel, no monte Sinai. O dia de descanso foi estabelecido em favor de toda a humanidade, não somente para os israelitas, mas antes, para toda a descendência de Adão. Foi estabelecido tendo em vista o benefício e a felicidade do homem. Visava o bem de seu corpo, de sua mente e de sua alma. Foi dado ao homem como uma benção e uma graça, não como um fardo. Assim foi sua instituição original.

Porém, o homem não foi criado "por causa do sábado". A observância do dia do Senhor nunca teve a finalidade de ser imposta como algo injurioso à saúde do homem; nunca foi instituída para interferir nas necessidades humanas. O mandamento original: "Lembra-te do dia de sábado, para o santificar" (Ex 20:8), não tinha o intuito de ser interpretado como prejudicial ao corpo do homem, ou como empecilho aos atos de misericórdia em favor do próximo. Esse era o ponto crucial que os fariseus tinham esquecido ou sepultado debaixo de suas tradições.

Em tudo isso, nada existe que apoie a precipitada afirmação de alguns, que nosso Senhor anulou o quarto mandamento. Pelo contrário, Jesus falou manifestadamente sobre o dia do descanso como um privilégio e uma dádiva, e regulamentou a extensão de sua observância. Cristo mostrou que obras necessárias e de misericórdias podem ser realizadas no dia do Senhor; mas não proferiu uma única palavra que justificasse a noção de que os crentes não precisam lembrar-se do dia de descanso, "do dia de sábado, para o santificar".

Sejamos zelosos em nossa própria conduta, quanto à observância do dia de descanso. Há bem pouco perigo de que ele esteja sendo observado muito estritamente em nossos dias. Há um perigo muito maior de que o dia do Senhor esteja sendo profanado e esquecido completamente."...

Read more...
segunda-feira, 3 de junho de 2013

Uma Palavra aos Ministros do Evangelho - Charles H. Spurgeon

0 comentários
1834 — 1892

"...Hoje em dia nós não temos os olhos como os olhos de nosso Salvador, que chorava por Jerusalém. Temos pouquíssimas vozes como que a voz apaixonada e sincera que parecia perpetuamente clamar: "Venham a mim, e eu lhes darei descanso" (Mt 11:28); "Jerusalém, Jerusalém, quantas vezes eu quis reunir os seus filhos, como a galinha reúne os seus pintinhos debaixo das suas asas, mas vocês não quiseram" (Mt 23:37). Se os ministros do evangelho fossem mais calorosos no seu exercício da pregação; se ao invés de darem conferências e devotar uma grande parte de seu tempo a atividades políticas e literárias, eles pregassem a Palavra de Deus e a pregassem como se estivessem lutando por suas próprias vidas. Ah meus irmãos, nós poderíamos esperar um grande sucesso. Mas não podemos esperá-lo enquanto fazemos nossos trabalhos de forma dividida, sem ter aquele zelo, aquela seriedade, aquele profundo propósito que caracterizava aqueles homens do passado.

Portanto, novamente, eu penso que em nossos dias nós não temos homens que conseguem pregar como Paulo em relação a fé que eles têm. O que Paulo fez? Ele foi a Filipos. Ele conhecia uma alma lá? Não, nenhuma. Ele tinha a verdade de seu Mestre e ele acreditava no poder desta mensagem. Ele foi sozinho e despido de pompa, ostentação e coisas chamativas. Ele não foi a um púlpito com uma almofada macia discursar em uma respeitável congregação. Não! Ele andava pelas ruas e começava a pregar para as pessoas. Ele foi a Corinto e Atenas sozinho, sem nenhuma ajuda, para anunciar ao povo o Evangelho do Deus bendito. Por quê? Porque ele tinha fé no Evangelho e acreditava que ele salvaria pessoas e destronaria os ídolos. Ele não tinha dúvida do poder do Evangelho. Mas hoje em dia meus irmãos, nós não temos fé no Evangelho que pregamos. Quantos existem que pregam o evangelho receosos de que este não salvará almas e por isso adicionam pequenos artifícios de si mesmos a fim de – imaginando que irão – ganhar homens para Cristo! Temos conhecido homens que acreditam nas doutrinas calvinistas, mas que pregam o calvinismo de manhã e o arminianismo à noite, porque eles estão receosos que o Evangelho de Deus não converterá os pecadores. Por isso, eles fabricam outro evangelho por si mesmos. Eu defendo que, um homem que não acredita que o evangelho que ele prega é capaz de salvar as almas humanas, não acredita no evangelho de maneira alguma. Se a verdade de Deus não salvará as almas humanas, as mentiras do homem menos ainda. Se a verdade de Deus não trará os homens ao arrependimento, eu estou certo que não existe nada no mundo que o fará

Read more...

Apresentação do 'Prática da Piedade'

O testemunho da Escritura é de que a Piedade é proveitosa para todas as coisas, residindo nela a promessa da vida que é, e da vida que há de vir [cf. 1 Timóteo 4:7,8].

E o que é Piedade?
É a qualidade de uma determinada prática de vida relacionada a Santidade pessoal, contrária às paixões carnais e mundanismo [Tito 2:11-13; 2 Pedro 3:10-12]. A palavra no original Grego do Novo Testamento, traz consigo o significado de uma ordeira e boa resposta do coração em reverência ao Senhor Deus. Uma outra forma de definir Piedade é descrevê-la como uma atitude pessoal para com o Senhor Deus, na forma de uma vida cujo objetivo é honrá-lO e agradá-lO.

A Piedade é proveitosa para a vida agora, conduzindo-nos em Cristo para toda a paz para com Deus, que nEle se pode receber; regozijo no Senhor, em nosso espírito, com todo prazer e alegria em Deus, nosso bom Pai e Salvador; contentamento para com os atos da Providência do Senhor. A Piedade não nos conduzirá a prosperidade, boa reputação, amigos, saúde ou tranquilidade - nada disto é prometido para o Piedoso; mas, quão maior é a felicidade de sabermos que o Piedoso será ouvido pelo Senhor em suas orações, e terá alegria nEle desde agora e para sempre! Na Piedade há promessa e esperança, de Cristo, em quem se esconde a vida do Crente, de estar unido com Cristo agora e por toda eternidade.

Nas palavras de Thomas Watson, "Como a jóia está para o anel, assim a Piedade está para a alma, ornando-a aos olhos de Deus. A Razão nos faz humanos; a Piedade nos faz anjos sobre a Terra; pela Piedade nós 'tomamos parte da natureza Divina' [2 Pedro 1:4]. A Piedade é mui próxima da glória: é 'glória e virtude' [2 Pedro 1:3]. A Piedade é a Glória em forma de semente; e a Glória é a Piedade em flor."

Assim, cremos, está mais do que justificado nosso desejo e obra em dedicar este Blog a tudo o que for útil e exemplar para nos exortar e dirigir na Prática da Piedade. Oh, Senhor, ajuda-nos, sustenta-nos, guia-nos e frutifica este trabalho!

Teologia e Pregação Reformada Experimental

O que é Teologia e Pregação Reformada Experimental? Muitas vezes chamado de Calvinismo Experimental ou Calvinismo Experiencial, se refere a uma tal forma de religião, construída sobre a Escritura Somente, fundamentada em Cristo Jesus, na qual, buscando-se incessantemente a Glória de Deus em todas as coisas, se testa ou prova, se exercita no conhecimento prático de toda Doutrina Bíblica. Entendemos que há uma vital relação entre a Teologia Prática e a Piedade; como a Escritura diz, é desejável e há regozijo e benção no exercício do Conhecimento da Verdade que é segundo a Piedade [Tito 1:1].

Tópicos

 
A Prática da Piedade © 2011 DheTemplate.com & Main Blogger. Supported by Makeityourring Diamond Engagement Rings

You can add link or short description here